sábado, 25 de abril de 2015

Vencedor do Passatempo "Últimos Ritos" de Hannah Kent

Boa noite,

Hoje trago-vos o resultado do passatempo, em parceria com a Saída de Emergência, que oferecia um volume do "Último Ritos" de Hannah Kent, que terminou no passado dia 18 de Abril.

Neste passatempo contámos com 129 participações, das quais 82 foram válidas. Do sorteio realizado, pela editora, o vencedor foi:

77 - José...Arjona

Muitos parabéns ao vencedor, que irei contactar posteriormente, e obrigada a todos os que tentaram a sua sorte  e à editora Saída de Emergência, que tornou este passatempo possível.

Beijinhos e boas leituras!

Frases Mágicas (74)


quarta-feira, 22 de abril de 2015

"Últimos Ritos" de Hannah Kent [Opinião]


Nome: “Últimos Ritos”

Autora: Hannah Kent

Nº de Páginas: 320

Editora: Saída de Emergência

Sinopse: “Uma magnífica estreia literária baseada e inspirada numa história real: os últimos dias de uma jovem acusada de homicídio na Islândia em 1829.
Na agreste paisagem islandesa, Hannah Kent traz à luz dos nossos dias a história de Agnes que, acusada do brutal assassínio do seu anterior amo, é enviada para uma quinta isolada enquanto aguarda a sua hora final.
Apavorados com a perspectiva de virem a albergar uma assassina, a família que a acolhe evita Agnes nas primeiras abordagens. Apenas Tóti, um padre designado para acompanhar Agnes nesta última caminhada e ser o seu guardião espiritual, procura compreendê-la.
Mas assim que a data da morte de Agnes se avizinha, a mulher e filhas do lavrador descobrem que há uma segunda versão para a história brutal que ouviram.
Fascinante e lírica, Últimos Ritos evoca uma existência dramática num tempo e espaço distantes, dirigindo-nos a enigmática pergunta: como pode uma mulher suportar a mágoa e a injustiça quando a sua vida depende das histórias contadas pelos outros?”

Opinião: Hannah Kent nasceu em Adelaide, Austrália, em 1985. Quando era jovem teve a possibilidade de viajar para a Islândia, quando fazia um intercâmbio, e foi nesse momento que teve conhecimento da história de Agnes Magnúsdóttir, que viria a dar origem à sua primeira obra, “Últimos Ritos”.

“Últimos Ritos” mostra-nos a história de uma jovem acusada de assassinato na Islândia, em 1829. Agnes foi acusada, com outras duas pessoas, do assassinato do seu anterior amo e de um amigo do mesmo. Antes da sua execução é enviada para uma quinta isolada, onde irá ajudar a família do lavrador que a acolherá, e receberá ajuda de Tóti, um padre, que tem a função de ajudar Agnes a redimir-se do seu crime e a partir em paz.

Confesso desde já que não consegui ficar indiferente desde logo à quantidade de prémios que esta obra conseguiu vencer, nove na totalidade, tendo sido candidata a mais oito. Aspecto que, sem dúvida, me suscitou interesse relativamente à obra e me convenceu que a teria de ler. Contudo, tenho igualmente de admitir que não fiquei completamente rendida à mesma. No princípio do livro a narrativa é um pouco lenta e demoramos a embrenhar na história e a ligarmo-nos às personagens, o que aliado ao facto de a relação entre estas ser um pouco efémera, não me fez apreciar a obra tanto quanto gostaria.

Outro aspecto que me chamou à atenção na obra foi o facto de se basear numa história verídica e esse facto mostrou ser um dos aspectos mais positivos da obra, pelo trabalho de pesquisa da autora, tal como o detalhe e cuidado que a mesma teve em contar esta história.

Na obra também me cativaram os flashbacks da vida de Agnes, narrados pela mesma, e algumas cartas subjacentes no início de cada capítulo, que tornaram a obra mais real e cativante.

No que concerne às personagens, penso que a relação entre as personagens devia e merecia ter sido mais trabalhada e desenvolvida, pois pareceu-me demasiado rápida a relação e intimidade desenvolvida entre as mesmas. Efectivamente constatamos que Agnes divide os dias com Tóti, o padre que a ajudará na hora da sua morte, e a família que a acolhe, todavia não nos é mostrada de forma muito profunda esta relação, que justifique posteriormente as acções ocorridas. Todavia, apesar deste aspecto menos positivo, penso que a autora sabe manobrar bem os sentimentos do leitor, colocando-o na dúvida e num dilema moral, sobre o que é certo ou errado, o que é muito interessante e positivo.

Com uma escrita portadora de descrições carismáticas e envolventes, que nos transportam para as aldeias e ruas mencionadas, Hannah Kent apresenta-nos uma história baseada em factos verídicos, sobre a última mulher a ser assassinada na Islândia, Agnes Magnúsdóttir.

Em suma, “Últimos Ritos” foi uma obra que me agradou, que me fez pensar sobre o que considero certo e errado, deixando-me curiosa com futuras obras da escritora.



Avaliação: 3/5 (Gostei!)

quarta-feira, 15 de abril de 2015

"E se...?" de Randall Munroe [Divulgação - Saída de Emergência]



Nome: "E se...?"

Autor: Randall Munroe

Nº de Páginas: 352

Sinopse: "Milhões de pessoas visitam XKCD.com todas as semanas para ler a vinheta de Randall Munroe. As suas figuras simples e desenhos minimalistas sobre ciência, tecnologia, amor e o sentido da vida têm uma vasta legião de seguidores.


Fãs de XKCD colocam a Munroe imensas questões bizarras. E se tentasses bater uma bola de basebol lançada a 90% da velocidade da luz? Se houvesse um apocalipse robótico, quanto tempo duraria a Humanidade na Terra?

Na busca de respostas, Munroe opera simulações de computador, analisa dossiês de pesquisa militar confidencial, resolve equações diferenciais e consulta operadores de reatores nucleares. As suas respostas são obras de arte de perspicácia e humor e normalmente preveem a absoluta aniquilação da Humanidade ou uma explosão inimaginável que arrase tudo!

E se…? é leitura obrigatória para todos aqueles que adoram os grandes enigmas da vida, da ciência e, claro, perguntas tão absurdas quão divertidas."